Conto – O melhor chute no saco que já recebi

O melhor chute no saco que já recebi

Autor: Filipe Ball.

Temática: Ballbusting, chute no saco.

Estou enviando esse texto pra vocês porque precisava compartilhar com as pessoas sobre essa minha experiência, me descobri como ball já faz alguns anos, conheci muita coisa de ballbusting na internet, (entendi que eu não era o único doido que curta essa budega, kkkkkkkk), na prática mesmo eu tive poucos momentos de ballbusting, e mais raros ainda foram os momentos onde esse ballbusting não fosse combinado antes, bom, eu particularmente sempre gostei tanto de ver como de fantasiar com garotas batendo no saco sem imaginarem que estariam dando prazer pro cara, batendo porque querer bater mesmo.

Aconteceu já fazem três meses, eu tinha me formado no ensino médio no ano anterior e trabalhava no comércio, salário mínimo e num ramo onde não teria muitas possibilidades de crescimento, juntava grana pra começar uma faculdade (ainda junto) e estudava no tempo livre. Havia um concurso público em uma cidade vizinha e eu achei que seria uma boa ideia tentar.

Me preparei com antecedência peguei o ônibus na rodoviária às 6 da manhã, consegui chegar no local de boas e no horário certinho, eu estava bastante animado com a possibilidade de poder largar o meu emprego e trabalhar nessa simpática cidade. Quando recebi a prova o meu humor já mudou bastante, já nas primeiras questões de língua portuguesa achei as cobranças bem complicadas, pulei quase todas as questões e logo percebi que a prova inteira era muito difícil, quando cheguei na parte de contabilidade eu vi que não tinha noção de TODAS as perguntas da matéria.

Apesar do esforço, fiquei 3 horas tentando fazer a prova eu já sabia que não tinha ido bem e nem que eu cagasse muito eu iria passar naquilo. Estava puto, eu teria pela frente mais 2 horas de ônibus pra voltar pra casa e ainda tinha que esperar 3 horas até o horário do ônibus sair. Fui pra uma lanchonete ali perto, pedi um salgado e um refri. Nem internet eu tinha ali e além de puto estava entediado.

Fiquei sentado numa mesa próxima da janela, fiquei olhando pra rua, tinha um prédio ali do lado, acho que era uma academia de artes-marciais, eu via a movimentação de pessoas, várias delas usando aqueles kimonos, ou trajes de luta, não sei se era coisa de carate, taekwondo, kung fu, sei lá, daí saíram de lá duas garotas que me chamaram bastante atenção.

Dessas duas garotas uma era mais baixa, devia ter menos de 1,60m, com certeza descendente de oriental, cabelos pretos bem lisos, e eram curtos também, sinceramente não achei ela tão bonita não, mas sempre gostei de orientais, ela usava um daqueles trajes que até tinha letras orientais nas costas. A outra garota, parecia ter mais ou menos minha altura, 1,76, pele mais corada, cabelos castanhos um pouco mais cumpridos, essa sim tinha um belo rosto e deu pra ver a beleza de seu sorriso enquanto conversava com a amiga, essa mantinha a parte de baixo, a calça do kimono mas a parte de cima toda aberta, mostrando sua barriga saradíssima, usava um top, seus seios eram algo entre médios e pequenos.

Para minha sorte as duas entraram na lanchonete em que eu estava, disfarcei o olhar e assisti a dupla fazer o seu pedido, admirei-as de longe, para minha surpresa elas se sentaram à uma mesa colada a que eu estava e eu pude continuar com a companhia delas.

Fiquei pensando em como seria fazer ballbusting com essas garotas, afinal, meninas que lutam devem chutar bem. Então eu ouvi uma delas dizer “chute no saco”, quando ouvi essa porra fiquei 100% concentrado pra ouvir a conversa delas.

Entendi que falavam sobre defesa pessoal da mulher, a baixinha comentou que essa era a “arma da mulher”, a outra foi além, disse que já tinha feito e ainda falou algo tipo “Comigo não adianta vir de macho que eu já dou nos ovos”, eu já tava ligado fiquei ainda mais, e então a menina perguntou se ela já tinha precisado usar alguma vez, a gata respondeu que sim, com um ex namorado que queria se aproveitar dela, ela estava se gabando muito do feito. E meu pau já estava duro dentro da calça só de ouvir.

Cara, eu tava com muito tesão! E ainda puto de ir pra outra cidade à toa fazer aquela prova fudida, eu tinha que tirar algo de bom desse dia, ao menos eu tinha que tentar. Eu me virei pra elas e disse:

– Eu acabei escutando uma parte da conversa de vocês, mas deixa eu falar, isso aí não é verdade não. Homens são mais fortes que as mulheres e não tem jeito de uma mulher derrubar um cara. – As duas se retraíram um pouco, uma abordagem direta assim assusta um pouco, vindo de um total estranho. Então eu continuei e disse algo mais tentando parecer amigável. – Um chute no saco não derruba ninguém, isso é coisa de novela. – Ainda forcei um riso.

Juro que fiquei muito nervoso, pensei que fossem me ignorar e eu fosse levar esse “toco” pra casa.

– Ah é verdade sim! Todo cara cai no chão com uma porrada bem dada no saco. Você só não vai cair se não tiver bolas! – Foi a resposta engraçadinha da gostosinha, mais alta.

Com a graça de Deus eu consegui manter a conversa com elas, então eu juntei coragem e desafiei a mais alta para tentar me derrubar com um chute no saco. Ela era a mais gostosa e também a mais extrovertida e era mais provável que topasse algo assim do que pedir pra outra. Ela riu, perguntou se eu tinha bolas de ferro ou era doido, eu mantive a proposta do desafio e que estava confiante que um chute nas bolas não iria me derrubar. A gata topou dizendo, Tá bom então eu vou chutar o seu saco.

Saímos da lanchonete e fomos pra uma praça ali do outro lado da rua, ela perguntou se eu tinha mesmo certeza, eu disse que sim e já fiquei pronto, pernas abertas e braços pra trás do corpo deixando claro que eu não iria revidar de forma alguma.

Então ela preparou e fez o movimento duas vezes sem me acertar tentando me deixar com medo, tadinha, eu fiquei parado encarando ela, nós três estávamos rindo, timidamente ela deu um chutinho muuuito leve, eu debochei dela e pedi pra ela chutar com força.

Ela veio um pouquinho mais pra perto e falou “Ah, tô com pena de você”. Eu insiste um pouco e ela estava relutante, numa posição mais relaxada, ela estava sorrindo com uma certa malandragem no rosto, e como a boca dela era linda desse jeito, tentei pedir só fiquei com medo de parecer desesperado, daí eu virei meu rosto olhando pra outra menina, bom “Você quer tenta…… ”

PAAAAAAAHHHHHHHHHHHH !!

Na hora que eu virei a filha de puta de deu um chute!!!

Não vi nem de onde saiu aquilo de tão rápido! Eu não apenas caí como caí inclusive com a cara no gramado ouvindo as duas rindo. Meu Deus cara! Juntando o jeitinho dela de olhar, a força de chute e a malícia que uma boa ballbuster deve ter, esse foi o melhor ballbusting que já tive na vida.

“Acho que doeu”, “Derruba ou não derruba?” Foi o que elas disseram, eu me forcei a levantar rapidamente, eu sentia aquela dor no estômago e minhas pernas ficaram bambas, mas fui forte e me mantive! “Tá, você conseguiu, mas isso porque eu não estava concentrado”, A ballbuster riu e falou que numa briga isso faz parte da tática, que você deve surpreender o homem.

Dei razão a ela, voltei para a posição de pernas abertas e desafiei a me derrubar novamente. Ela zombou “Tem certeza? Daqui a pouco você não pode mais ter filhos”. Concordei. Dessa vez ela me chutou sem rodeios.

Que chute! Doeu bastante, eu deixar escapar um “ooh” e me curvei após o golpe, mas dessa vez eu resisti de pé.

A asiática perguntou se ela poderia tentar? Concordei, “De boas. Você é menor deve ter um chute mais fraco”. Véi, a mina parou na minha frente, fez a posição da luta dela lá, deu um giro e me acertou certinho nos ovos, com a sola do pé!

Eu dei três passos pra trás com aquele chute, essa porra parece a filha do bruce lee fazendo ballbusting! Eu já estava com cara de dor, essa porrada deixou doendo até meu pau que sofreu o golpe junto. A garota elogiou o chute dessa menina. “Agora já chega né?” provocou.

Eu já tava no meu limite, mas esse era um momento único. Pedi perdão pras minhas bolas e mandei elas chutarem mais forte.

“Tá bom então, agora eu vou fazer omelete!” Falou a mais alta novamente, ela tinha mesmo gosto pela coisa. Dessa vez ela tomou distância, correu três passos pra frente e chutou!!!

Dessa vez eu gemi alto, tentei forçar as pernas e me manter de pé, mas não consegui resistir, caí de joelho no chão.

Ouvi as duas gargalharem, de fato eu estava derrotado mas nem precisei dizer. A gostosa passou por mim e ainda comigo de joelhos ela passou a mão pelo meu cabelo. Disse: “Viu como eu estava certa? Tchau garoto.”, eu nem respondi, as duas foram se distanciando quando a outra ainda falou “Espero que você ainda possa ter filhos.”

Eu nunca vou me esquecer desse dia que começou tão mal mas que no final me rendeu esses incríveis momentos de ballbusting.

 

Ir para índice de Contos do Site

Você também pode gostar de

Alessio

Um nerd brasileiro apaixonado por fetiches relacionados a dominação feminina e feliz em apresentar esse conteúdo para as pessoas. Também é expert em feedar no lolzinho.

3 thoughts on “Conto – O melhor chute no saco que já recebi

    1. É verdade cara. Tem poucos sites que REALMENTE se dedicam a certos fetiches, se a gente pensar em Contos de Ballbusting por exemplo, só tem aqui e tinha no bb share, agora é só aqui mesmo. (Com todo respeito, se tiver outros que eu não conheça). E nego não valoriza. Se amanhã eu resolvesse deletar tudo, imagina, seria basicamente o fim de todo material escrito de ballbusting em língua portuguesa.

      1. Estamos em um mato sem cachorro ! hahahaha Ja tentei traduzir alguns contos de sites em inglês para poder me entreter com o tema.. Mas infelizmente alguns desses sites tem algum tipo de proteção que não me permitia copiar o texto para colocar no google tradutor (pois infelizmente não entendo muito inglês)

Deixar uma resposta

Top